Bruno Rigonatti: Orgulho o ano inteiro

Pesquisas feitas nos últimos anos mostram que ainda existe resistência para a contratação de LGBTs, principalmente para cargos de liderança

Por O Dia

Bruno Rigonatti
Bruno Rigonatti -
Rio - De uns tempos para cá, as discussões sobre diversidade vêm ocupando cada vez mais espaço – se pensarmos em alguns anos atrás, o assunto ainda era um tabu na sociedade e, principalmente, no mundo corporativo. Felizmente, junho foi o mês do Orgulho LGBT+ e vimos um número sem precedentes de empresas se manifestando a favor da causa. Mas, hoje, ainda são poucas as companhias que saem do discurso e adotam políticas reais de inclusão.

Por que isso interessa? Pesquisas feitas nos últimos anos mostram que ainda existe resistência para a contratação de LGBTs, principalmente para cargos de liderança. Ou, quando contratados, sofrem discriminação. Da porta para dentro, o preconceito ainda segue impregnado em alguns casos.

Por sorte, sou de uma geração que cresceu numa sociedade mais tolerante, e ingressei no mercado de trabalho já fora do armário. Por isso, sempre escolhi trabalhar em ambientes a favor do respeito, e quando entrei na Cervejaria Ambev, fiz questão de entender quais iniciativas existiam nesse sentido e me deparei com uma grande abertura para a diversidade – em linha com o propósito da empresa, que é unir as pessoas por um mundo melhor. Então, não pensei duas vezes quando pude participar da criação de um grupo focado em melhores práticas para evoluir o tema.

Olhando para trás, o resultado foi só alegria: os funcionários passaram a se sentir mais à vontade para se expressar. Mais do que garantir os direitos LGBT+, nosso propósito era trabalhar a causa dentro e fora da companhia e inspirar outras empresas.

Em 2016, aderimos ao Fórum de Empresas e Direitos LGBT+. Em 2018, nos tornamos apoiadores das cinco normas de conduta da ONU para empresas que suportam direitos LGBT+. Também desenvolvemos o Manual do Código de Conduta de Marketing e Comunicação Responsável, para garantir que não haja preconceito ou sexismo em nossas marcas. Skol, por exemplo, abraça a diversidade e, historicamente, apoia iniciativas como a campanha “Marcas Aliadas”, que une esforços de empresas para ampliar ações de apoio a esse público. Recentemente, lançamos a Skol Beats Queen, uma homenagem às drag queens da cena brasileira.

Este ano, demos outro importante passo no caminho à igualdade. Lançamos uma campanha nas redes sociais para celebrar o Dia do Orgulho LGBTI+, com depoimentos de funcionários, além de um “twitaço” do bem, que doou R$ 1 a cada post com a #OrgulhoDaMinhaHistória a duas ONGs LGBT+, alcançando R$ 100 mil.

Mas a grande lição desse movimento foi a oportunidade de contar e conhecer histórias inspiradoras da nossa gente. Rompemos barreiras que dividem a vida pessoal e profissional para compartilharmos, juntos, a riqueza de sermos diversos. E isso é imensurável.

Sabemos que há um longo caminho pela frente e que a diversidade nas empresas precisa considerar tantas outras minorias. Por isso, estamos sempre aprimorando nossas iniciativas para que cada funcionário se sinta livre para ser quem é e crescer na velocidade do seu talento. O respeito é nossa premissa e a ferramenta mais poderosa para chegar aonde quisermos.

Bruno Rigonatti é gerente de Marketing Institucional da Cervejaria Ambev

Comentários