Juíza é retirada de ação sobre contratação supostamente irregular em Angra

O Ministério Público que brigava contra a juíza sustentou que, pelo prazo de seis meses, os procedimentos 'emergenciais' superam R$ 17 milhões

Por ADRIANA CRUZ

Rio - A 8ª Câmara Cível tirou das mãos da juíza Andréa Mauro da Gama Lobo D'eça de Oliveira, da 1ª Vara Cível de Angra dos Reis, a ação contra contratação supostamente irregular de serviços médicos feita pela Prefeitura de Angra dos Reis e a Fundação Hospital Geral de Japuíba.

O Ministério Público que brigava contra a juíza sustentou que, pelo prazo de seis meses, os procedimentos 'emergenciais' superam R$ 17 milhões. E mais: que ela é mulher do presidente da Câmara Municipal, o vereador José Augusto de Araújo Vieira, o Zé Augusto, do PMDB, aliado do prefeito Fernando Jordão, do mesmo partido. Zé Augusto, para o MP, deveria fiscalizar os gastos, mas visitou o hospital e aprovou as contratações.

 

Comentários

Últimas de Justiça & Cidadania