Bretas manda soltar acusada de sonegação fiscal de pedras preciosas

Esquema teria movimentado 44 milhões de dólares (R$ 178,2 milhões na cotação desta quinta-feira)

Por ADRIANA CRUZ

Daisy BalassaTsezanas ganhou o direito de acompanhar as consultas médicas do filho às terças e sextas-feiras -

Rio - O juiz da 7ª Vara Federal Criminal, Marcelo da Costa Bretas, revogou, nesta quita-feira, a prisão de Neli Azevedo. Segundo o Ministério Público Federal, ela seria tesoureira da empresa  Comércio de Pedras Os  Ledo LTDA , de Daysy Balassa Tsezanas e Marcello Luiz Santos Araújo, acusados de sonegação fiscal envolvendo pedras preciosas que movimentou 44 milhões de dólares (R$ 178,2 milhões na cotação de hoje).

Bretas acolheu o pedido de revogação de prisão de Neli do advogado Carlo Luchione no qual ele comprovou que ela era apenas secretária da empresa. O juiz negou o pedido de liberdade de Marcello e autorizou Daysy a sair todas as terças e sextas-feiras para acompanhar tratamento do filho.

Neli foi presa em 4 de setembro, quando foi deflagrada a Operação Marakata no Rio de Janeiro e Bahia, desdobramento Câmbio Desligo. O  e a Receita Federal investigam um possível esquema de evasão de divisas em banco paralelo do doleiro Dario Messer.

Últimas de Justiça & Cidadania