Facebook é obrigado a tirar do ar página falsa da Corregedoria-Geral de Justiça

A empresa informou que a conta foi criada de forma automática, sem a participação de um usuário, ou seja, pela própria plataforma da rede social

Por ADRIANA CRUZ

Órgão Especial do TJ-RJ decidiu suspender efeitos do artigo acrescentado pela Alerj à lei do Refis
Órgão Especial do TJ-RJ decidiu suspender efeitos do artigo acrescentado pela Alerj à lei do Refis -

Rio - Em tempos de notícias falsas nas redes sociais todo o cuidado é pouco e nem mesmo o Judiciário escapa. A juíza da 16ª Vara de Fazenda Pública, Maria Teresa Pontes Gazineu, determinou ao Facebook a retirada do ar de uma página fictícia da Corregedoria-Geral da Justiça do Rio. A empresa informou que a conta foi criada de forma automática, sem a participação de um usuário, ou seja, pela própria plataforma da rede social. Embora fizesse referência à Corregedoria, o endereço era de São Paulo.

Um advogado paulista também era o responsável por prestar consultoria a quem perguntava pelos serviços do órgão, inclusive, disponibilizava número de telefone. A Corregedoria informa que tem uma página oficial no Facebook. O órgão está atento a qualquer notícia de falsos perfis. E você, leitor, pode colaborar. Qualquer informação sobre páginas que não sejam verdadeiras podem ser denunciada à Ouvidoria do Tribunal de Justiça através do 159, na Capital, e 3133-3915 nas demais regiões do estado.

Comentários

Últimas de Justiça & Cidadania