Juiz vira alvo do CNJ por pedir até foto de biquíni a estagiária

Magistrado é acusado de assédio sexual e remoção de servidores irregularmente

Por ADRIANA CRUZ

Por maioria, o Plenário aprovou a abertura do Processo Administrativo Disciplinar contra o magistrado do Rio
Por maioria, o Plenário aprovou a abertura do Processo Administrativo Disciplinar contra o magistrado do Rio -

Rio - Pedidos de encontro e até de fotos de biquíni de estagiária levaram o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) a decidir afastar e abrir processo administrativo disciplinar contra o juiz Glicério de Angiólis Silva. O magistrado é  acusado de assédio sexual e moral nas comarcas de Miracema e Laje de Muriaé, interior do estado. 

As denúncias foram feitas pelo Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro (Sind-Justiça), em 2016, mas arquivada pelo Tribunal de Justiça.  De acordo com o processo, o juiz era alvo de dez acusações, entre elas, falta de urbanidade com advogados e servidores, remoção irregular de servidores, além de assédio sexual contra duas estagiárias.

Para a conselheira Iracema do Vale é preciso aprofundar as investigações. Ela ressaltou que há divergências entre a forma como o TJRJ descreve a conduta do juiz, baseado em determinados depoimentos que afastam a sua irregularidade, e a forma descrita pelas Corregedorias do tribunal do Rio e do CNJ. “Inadmissível que um magistrado, investido regularmente de suas funções jurisdicionais, venha a portar-se de forma censurável, ainda mais em seu local de trabalho. Espera-se moderação, equilíbrio e sobriedade para a preservação da autoridade do cargo”, enfatizou.

Em um dos depoimentos, uma estagiária foi taxativa ao relatar "que, em determinada ocasião, enquanto se discutia a divisão normal de tarefas, o Magistrado, ao final pediu uma foto de biquíni (...), o que foi recusado; (...)”.

 

Comentários